Sessão Ordinária do dia 17 de junho de 2019
 
terça, 18 de junho de 2019
Entrega de moção de aplauso ao Sr. Raul de França Veloso, pelos 27 anos de relevantes serviços prestados ao Município de Dois Vizinhos.

Entre as pautas da sessão, tivemos um momento muito singelo de homenagem a este valoroso homem, que dedicou sua vida em prol da segurança pública, Sr. Raul de França Veloso.

Breve Histórico:

Raul de França Veloso nasceu em 30 de maio de 1934, na cidade de Pitanga (PR). Ele é filho de Elza Renak dos Santos e Cipriano de França Santos. Na sua história, trabalhou como mecânico de elevadores, pedreiro e carpinteiro, participando da edificação da sede do Governo do Estado na década de 1960. Ingressou na Polícia Militar no dia 1º de fevereiro de 1957. Ironicamente, tirou serviço de guarda no prédio que ajudou a construir. Logo após o curso de formação, foi voluntário para atuar na região do 3º Batalhão da Polícia Militar, com sede em Pato Branco. Naquela época, o Sudoeste do Paraná passava pela Revolta dos Posseiros.

O patrulhamento do policial era realizado no lombo de cavalos, com fuzil atravessado nas costas e com pouco tempo, o soldado Raul de França Veloso já havia trabalhado em vários municípios até chegar em Dois Vizinhos, onde firmou residência. Depois de um tempo, conheceu Hilda Muller Veloso, com quem se casou. Dessa união, foram sete filhos: Giovani, Mariângela, Gilson, Elenice, Gilmar, Jolcemar e Joelson, além de oito netos e dois bisnetos.

Residiu em Dois Vizinhos por dez anos e participou ativamente da fundação da 31ª Ciretran. Após este período, em 1967, mudou-se para São Jorge D'Oeste a convite do então deputado dr. Arnaldo Busato. A sede da delegacia era onde hoje é a Prefeitura Municipal e o ex-policial lembra que a cadeia era de madeira. Havia muita fuga de presos na época. O delegado comandante do destacamento foi o sr. João Fonseca, que foi para São Jorge convidado por Veloso.

Em 27 de fevereiro de 1984, ele encerrou a carreira na PM, ingressando na reserva remunerada após 27 anos de serviço prestado com comportamento excepcional. Em 1989, foi nomeado chefe do posto de trânsito de São Jorge D'Oeste, onde ficou até 2001, quando retornou para Dois Vizinhos.

Matéria do Jornal de Beltrão - 06/06/2016

O policial militar aposentado Raul de França Veloso chegou ao Sudoeste em 1957 sem saber o que ia encontrar. Solteiro, recém-formado na academia de polícia, ele topou o desafio de vir para a região sabendo apenas que, por aqui, havia estourado uma "revolução". "Eu nem sei como é que eu vim parar aqui em Dois Vizinhos. Eu estava em Curitiba e nós saímos de serviço do Palácio do Governo numa tropa. Nós estávamos no pátio, formados para entregar o armamento e o capitão falou: 'tem um problema no Sudoeste'. Eu nem sabia onde ficava. Ele continuou: 'Precisamos de voluntários'. Aí eu era solteiro, não devia nada pro diabo, como 'dlz o outro, peguei e ergui o dedão. Ele mandou dar três passos para frente, eu me apresentei com mais uns dois ou três que se habilitaram. Eu sabia que eles pegavam na marra, geralmente o que era solteiro, então resolvi me oferecer. Aí até alguns me falaram que eu era louco de me fincar nesses 'cafundós' aqui, que estavam matando gente. Eu não tinha nada a perder e resolvi arriscar", lembra o aposentado que está com 82 anos.

Antes de ser policial, Veloso foi mecânico de elevador e também pedreiro. "Eu trabalhei na construção do Palácio do Governo, em Curitiba, de 1952 a 1955. O Bento Munhoz da Rocha Neto, o famoso Bentinho, foi meu chefe. Eu fiz de tudo um pouco, só não roubei e matei. Eu saí de Pitanga para ser mecânico de elevador em Curitiba quando eu tinha 16, 17 anos, em 1950. Depois eu fui carpinteiro e pedreiro, até entrar na Polícia. Eu trabalhei na construção do palácio e depois tive a honra de tirar a guarda no mesmo palácio, quando entrei para a polícia, em 1956", orgulha-se.

Primeira Impressão:

Veloso e os outros soldados desembarcaram no Sudoeste em uma noite de outubro de 1957. "A gente veio sem saber se ia voltar, porque aqui tinha muito bandido. Viemos no trem até União da Vitória, tocando pandeiro e violão no trem. Chegamos em Pato Branco de madrugada, umas duas horas. Quando descemos do ônibus, encheu até a canela de barro. Era tudo chão nas ruas de Pato Branco. Dormimos numa delegacia velha de madeira, cheia de percevejo. Todo mundo cheio de barro. O fuzil foi nosso travesseiro", completa. De lá, Veloso começou seu 'tour' pelo Sudoeste. "Eu fiz amizade com o juiz de direito, o Dr. José Meger e ele sempre me pegava pra andar junto com ele na cidade. A gente saía a pé, ia no Bar do Fasolin ou do Cantu, perto da Praça Getúlio Vargas. Eu era, praticamente, o guarda-costas do juiz porque ele era a autoridade máxima. O capitão deixava e eu aproveitei, numa dessas saídas, e dei uma cantada para ir a um destacamento em qualquer lugar na região. Aí ele falou que ia estudar meu caso. Passou uns dois, três dias o juiz mandou um oficial de justiça para conversar comigo porque tinha me arrumado um destacamento no Verê. Isso ainda em 1957", conta. Em pouco tempo, Veloso já estava em Dois Vizinhos. "Nem parei no Verê e já vim para Dois Vizinhos. Me falaram que quando eu viesse para Dois Vizinhos, era para conversar com o Aníbal Bonato, em São Roque, e com o Ary Muller em Dois Vizinhos. O primeiro virou um grande amigo, o segundo meu sogro. Naquela época nós fazia patrulha tudo a cavalo. Saía de Dois Vizinhos, ia pra Erveira e pras outras comunidades com um fuzil nas costas. Aqui tinha muita encrenca, o clima tava fervendo", recorda-se.

Casamento na região:

Depois de um tempo, Veloso conheceu sua esposa, Hilda Muller Veloso, com quem casou em 1961 e teve sete filhos (cinco homens e duas mulheres). "Meu sogro estava indo para Pato Branco e parou no Hotel do seu Germano Fabiane, em Verê. Eu tava sentado lá na frente e eles chegaram e eu gostei daquela menina. Aí eu vim para Dois Vizinhos, encontrei ela e acabei me casando em 1961, no dia 11 de fevereiro. Tive a honra de ter com ela sete filhos (cinco homens e duas meninas)".

Em 1960, Veloso começou a trabalhar com trânsito, fundando o Departamento de Trânsito em Dois Vizinhos. Mais tarde, em 1967, Veloso começou seu trabalho em São Jorge D'Oeste, onde ficou até 2001. "Fiquei 10 anos em Dois Vizinhos, depois fui para São Jorge D'Oeste e tive a honra de ficar lá 34 anos. Eu fui para lá no dia 4 de abril de 1967, voltei para Dois Vizinhos em 2001, porque eu tinha uma chácara aqui, fiz uma casa e estamos até hoje aqui. Eu me aposentei no Departamento de Trânsito em 1984, fiquei mais um tempo e vim para cá descansar", completa. Aposentado, Veloso gosta muito de cuidar da sua horta e tem diversos documentos históricos na sua casa. "Eu sempre gostei de ler muito. Eu tinha uma biblioteca grande em casa, mas doei tudo para a Apae. Sempre fui chegado nessas histórias. Também procurei guardar edições de jornal históricas, como a primeira edição da Gazeta do Povo. Mesmo doando a biblioteca, acabei ficando com umas coisas velhas. Eu sou um cara jovem, mas gosto de coisa velha".

A sessão completa pode ser vista no canal do YouTube:  https://www.youtube.com/watch?v=ScYbsTQurOE


Fonte: Assessoria de Imprensa
 
 
 
Rua Souza Naves, 395 - Centro
85660-000 - Dois Vizinhos - PR
(46) 3536-1321
2019 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Grupo Mar Virtual